Voltar

Identidades sociais de raça e formação continuada de professores de língua inglesa

O texto faz parte de uma pesquisa de campo de maior abrangência e que está em andamento. É pesquisa em realização com a participação e colaboração de duas professoras de Língua Inglesa de uma escola pública no interior do Paraná. O presente recorte tem o objetivo de refletir acerca de algumas percepções das referidas professoras de Língua Inglesa a respeito de identidades sociais de raça durante o período de realização de ações de formação continuada. A pergunta formulada é: Quais são as percepções de duas professoras de Língua Inglesa acerca de identidades sociais de raça durante uma oficina de formação continuada? O referencial teórico versa a respeito de identidades sociais de raça (GOMES, 2005; SILVA, 2003; FERREIRA, 2004; SANTOS, 2005; FERREIRA, 2012a); documentos oficiais, como a Lei Federal nº 10.639/2003 (BRASIL, 2003); Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana (BRASIL, 2005); Orientações Curriculares do Ensino Médio- OCEM- LE (BRASIL, 2006); livro didático (SILVA, 2008; TARINI, 2009; CAMARGO & FERREIRA, 2014; JORGE, 2014); também algumas contribuições da Análise Crítica do Discurso (VAN DIJK, 2012). A pesquisa se pauta na metodologia de pesquisa qualitativa, alicerçada no escopo da Linguística Aplicada (MOITA LOPES, 2006). Os resultados apontam para o fato de que a formação continuada  auxilia o professor com as reflexões teóricas, bem como possibilitando a intersecção dessas com a prática pedagógica.

Palavras-Chave: Identidades sociais de raça; Oficina de formação continuada; Prática pedagógica.