Voltar

Webinar debate raça, gênero e o ensino de inglês no Brasil; confira o vídeo

O Observatório para o Ensino da Língua Inglesa promoveu, no dia 10 de junho, o webinar “Raça, Gênero e o Ensino de Inglês no Brasil: por uma formação de professores mais inclusiva”. O evento on-line contou com a participação de Carolina Azevedo, professora de inglês da rede municipal do Rio de Janeiro, e Cíntia Camargo Vianna, pós-doutora em Estudos da Literatura pela Universidade Federal Fluminense (UFF), com mediação de Cintia Toth, gerente sênior para o inglês do British Council Brasil. 

O evento faz parte do UK-Brazil Skills for Prosperity Programme, iniciativa do governo britânico que visa a democratização do ensino de inglês nas escolas públicas do Brasil. 

No webinar foi discutido como questões de raça e de gênero se manifestam no ensino de língua inglesa, passando pelos impactos causados pelos estereótipos e preconceitos na formação de professores e nas práticas em sala de aula, além de caminhos para mitigá-los. 

Na abertura, Cintia Toth destacou a importância do olhar interseccional para o ensino da língua inglesa no Brasil. De acordo com a pesquisa Políticas públicas para o ensino de inglês, do British Council, dados do Censo Escolar 2017 mostram que, dos mais de 62 mil professores de língua inglesa da rede pública brasileira, 80% são mulheres e apenas 27% se declaram pretos ou pardos — uma discrepância em relação ao perfil da população brasileira, que é composta por 56,1% de negros, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua. 

 “Essa baixa representatividade mostra, para o aluno, que ele é minoria naquele contexto”, afirma Carolina Azevedo, que também é mestranda em Educação com ênfase em Diversidades e Relações Étnico-raciais pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Para ela, é importante que o estudante se veja representado na sala de aula e nos livros didáticos. Esse trabalho, segundo Carolina, não é somente dos professores: “o trabalho precisa ser coletivo para que o racismo e o preconceito de gênero seja erradicado”, diz.

Nesse contexto, Cíntia Vianna convida para a reflexão sobre qual é o lugar da língua inglesa nas instituições escolares da educação básica e como as questões de raça e gênero são tratadas nesses ambientes. A pesquisadora afirma que a discussão sobre os temas raciais e de gênero devem fazer parte do processo de formação inicial e continuada de professores de inglês.

O evento foi voltado a educadoras e educadores e a qualquer pessoa interessada em construir práticas educacionais mais inclusivas.

Confira abaixo o vídeo do webinar na íntegra: