Gênero e Inclusão Social

O Skills for Prosperity conta com uma estratégia global com foco em gênero e inclusão social em um esforço ativo para garantir que as atividades realizadas no âmbito do programa promovam a equidade, sejam acessíveis a grupos em maior desvantagem e não reproduzam desigualdades e estereótipos. 

A premissa da inclusão permeia as ações do programa do início ao fim — desde a sua concepção e construção até o alcance de grupos em situação de desvantagem. No Brasil, o Skills for Prosperity tem como base abordagens inclusivas para formação de professores, produção de material didático, desenvolvimento de plataformas on-line e para todas as demais ações, que são sensíveis à diversidade de alunos e docentes em relação à raça, cor, gênero, condições de acesso à escola e aos meios on-line. 

O foco em questões sociais, de gênero e de raça é essencial para o enfrentamento do desafio da inclusão e da representatividade no Ensino da Língua Inglesa no país. Para se ter uma ideia, de acordo com o Censo Escolar do Inep (2017),  dos mais de 62 mil professores de Inglês da rede pública no Brasil, cerca de 80% são mulheres. Mas menos de 30% se declaram negros — proporção que sobe para 55,4% quando considerada a sociedade brasileria de forma geral, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua do IBGE.

As ações do programa no Brasil são direcionadas a professores e alunos dos sistemas públicos de ensino, mas sempre com um olhar especial para meninas, mulheres e comunidades negras. Como resultado, espera-se melhorar a qualidade do aprendizado na Língua Inglesa no país por meio de projetos de currículo, materiais de ensino e práticas educacionais que alcancem grupos em desvantagem e incorporem abordagens inclusivas.

Acesse outros conteúdos sobre Gênero e Inclusão Social


Escopo e sequência: anos finais do ensino fundamental – língua inglesa

O Escopo e Sequência de língua inglesa é o documento que descreve e organiza os objetivos de aprendizagem, habilidades e conhecimentos a serem contemplados nos anos finais do Ensino Fundamental e no Ensino Médio, conforme indicados na BNCC, demonstrando equivalências com os descritores do CEFR, e apresenta uma sugestão de como uma sequência lógica e progressiva dentro do mesmo ano, no caso do EF, e de uma mesma etapa, no caso do EM, seria possível.

Identidades sociais de mulheres negras nos livros didáticos de língua estrangeiras do Brasil e de Camarões: Interseccionalidades de raça, gênero, classe social e letramento racial crítico

A presente pesquisa reflete sobre identidades sociais da mulher negra e suas intersecções nos livros didáticos de língua inglesa e tem a intenção de gerar reflexões sobre como as identidades sociais da mulher negra estão sendo representadas nos livros didáticos de língua inglesa do Brasil e de Camarões. A intenção de trazer a reflexão entre […]

Vozes de aprendizes acerca de identidades sociais de raça/etnia na escola

Este trabalho tem como objetivo refletir a respeito de algumas questões que cercam as identidades sociais de raça/etnia nos materiais didáticos (ou materiais de ensino) de alunos de duas salas de 8ª séries em duas escolas da cidade de Cascavel, no Estado do Paraná. Aqui as reflexões concentrar-se-ão em algumas entrevistas dos alunos das referidas […]

Identidades sociais de raça e formação continuada de professores de língua inglesa

O texto faz parte de uma pesquisa de campo de maior abrangência e que está em andamento. É pesquisa em realização com a participação e colaboração de duas professoras de Língua Inglesa de uma escola pública no interior do Paraná. O presente recorte tem o objetivo de refletir acerca de algumas percepções das referidas professoras […]