Gênero e Inclusão Social

O Skills for Prosperity conta com uma estratégia global com foco em gênero e inclusão social (GSI) em um esforço ativo para garantir que as atividades realizadas no âmbito do programa promovam a equidade, sejam acessíveis a grupos em maior desvantagem e não reproduzam desigualdades e estereótipos. 

No país, o UK-Brazil Skills for Prosperity beneficia as comunidades escolares de maneira geral, mas existe o reconhecimento de que é necessário romper padrões discriminatórios e reduzir desigualdades educacionais e sociais, que afetam certos grupos de forma mais grave , para que o ensino de inglês no Brasil seja mais inclusivo e equitativo. 

Assim, a estratégia de GSI do programa tem professoras e estudantes negras como público principal, dadas as desvantagens que se sobrepõem para essa população (veja no box abaixo).

  • Representatividade no ensino de inglês: apenas 32% dos docentes se autodeclaram pretos ou pardos versus 56% da população total do país; 28% não declararam sua cor ou raça; as mulheres totalizam mais de 80%.
  • Escolaridade: em geral, mulheres (25 anos ou mais) brancas possuem em média 9,1 anos de educação formal, enquanto para mulheres pretas e pardas essa média é de 7,1 anos. Estudantes pretos e pardos (meninas e meninos) apresentam maior evasão, o que traz implicações para sua inserção no mundo do trabalho. A gravidez precoce é um dos motivos: no Brasil, 1 a cada 7 bebês são gerados por adolescentes.
  • Renda: no mundo do trabalho, de forma geral, os salários de mulheres negras correspondem a menos da metade dos salários de homens brancos com o mesmo nível de ensino.
  • Emprego: mulheres negras representam a maior parcela da população desempregada, situação que se agrava em momentos de crise como a pandemia de Covid-19. 

A estratégia de GSI do UK-Brazil Skills for Prosperity tem os seguintes objetivos:

– Apoio à remoção de barreiras de acesso à educação e treinamento para meninas e mulheres negras; 

– Apoio a meninas e mulheres negras para que elas façam escolhas e tomem decisões informadas sobre educação e emprego; 

– Apoio à criação de um ambiente favorável para que meninas e mulheres negras se beneficiem de um crescimento econômico inclusivo; 

– Identificação contínua de lacunas nos dados disponíveis sobre o público-alvo do programa e busca pela coleta e análise de dados para embasar as decisões tomadas no decurso do programa.

A premissa da inclusão permeia as ações do programa do início ao fim — desde a sua concepção e construção até o alcance de grupos em situação de desvantagem. O UK-Brazil Skills for Prosperity tem como base abordagens inclusivas para formação de professores, produção de material didático, desenvolvimento de plataformas online e para todas as demais ações, que são sensíveis à diversidade de estudantes e docentes em relação à raça, cor, gênero, condições de acesso à escola e aos meios online. Naturalmente, as questões de GSI abarcadas pelo programa também são transversais ao Observatório para o Ensino da Língua Inglesa.

Confira algumas ações de GSI já realizadas no âmbito do UK-Brazil Skills for Prosperity:

Formações internas, para equipes do S4P 

  • Oficina de Letramento Racial com a professora Aparecida Ferreira, em fevereiro de 2021
  • Treinamento sobre questões de gênero com Zeenia Faraz e Gillian Cowell, da equipe do British Council, em abril de 2021

Guia de Acessibilidade Digital

  • Conteúdo interno do programa, coordenado pelo British Council. 

Guia de Comunicação Inclusiva 

  • Elaborado a partir de pesquisa com grupos focais realizados com professoras e alunas do público-alvo de GSI, trabalho coordenado pela Fundação Lemann. 

Eventos e campanhas 

Referenciais técnico-pedagógicos 

Materiais didáticos 

Curso de inglês para professores 

 

Acesse outros conteúdos sobre Gênero e Inclusão Social


Inscrições abertas para o curso Gênero no Ensino de Idiomas

A formação é gratuita e participantes do Brasil terão acesso a um grupo exclusivo no Telegram com a professora Tamires Gama (@simplifica.ingles)

Ensino de inglês para meninas e estudantes negros: problemas já enfrentados antes da pandemia

A crise do novo coronavírus dificultou o acesso à educação dos estudantes negros e dos mais pobres. No ensino de inglês, é preciso considerar questões que já afastavam esse grupo do aprendizado da língua.

Minha experiência: Formação docente para uma maior representatividade de raça e gênero no ensino de inglês

Maria Carolina Almeida de Azevedo, professora de inglês da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro e mestranda em Educação pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)

Os indígenas brasileiros e a língua inglesa

O ensino de inglês como língua de relações interculturais exige respeito às identidades culturais e às realidades linguísticas de cada povo